Perspectives on personality carver pdf

0
3

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Como a pessoa procura diminuir o estado interno de deficit, uma necessidade funciona como um impulso para determinados comportamentos. A intensidade de uma necessidade determina a intensidade do comportamento a que ela está ligada: quanto mais intensa a necessidade, mais intensa a ação. Tal “intensidade” pode se expressar de diferentes formas: pelo vigor, entusiasmo, perseverança – ou mesmo a prioridade que se dá ao comportamento em perspectives on personality carver pdf de outros.


Dessa forma uma necessidade tem um caráter diretivo com relação ao comportamento: por um lado ela determina o objeto ou evento necessários para sua saciação e, por outro, ela determina se essa satisfação se dá através de um movimento para perto desse objeto ou para longe dele – por exemplo “sede” e “medo de nadar” têm ambos por objeto a água, mas a direção é diferente. As necessidades variam o tempo todo.

No entanto determinadas pessoas têm uma determinada tendência a ter certas necessidades mais frequentemente, ou mais intensamente do que outras. Quando uma necessidade têm para uma pessoa uma certa estabilidade ela torna-se uma parte de sua personalidade. Outro conceito muito próximo é o de motivo. Tanto necessidades como motivos estão intimamente ligados à motivação.

As necessidades secundárias são definidas apenas pelo fim a que elas se direcionam e não por características superficiais do comportamento observável. Correspondente às necessidades, que são internas, Murray postula a existência de uma pressão do lado do ambiente ou da situação: é a atração ou repulsa geradas pelo ambiente no indivíduo.

De uma maneira fenomenológica ele diferencia dois tipos de pressão: a pressão alfa é a exercida objetivamente pela situação, pressão beta é a exercida pela situação tal qual o indivíduo a percebe. A principal diferença entre motivo e necessidade é que aquele pode ser influenciado tanto por uma necessidade quanto por uma pressão externa. Para ele as pessoas se diferenciam na proporção em que para elas cada uma dessas necessidades é mais ou menos marcante. Segundo Murray as necessidades não se manifestam isoladas, mas se relacionam entre si.

Muitas vezes duas ou mais necessidades se fundem, refletindo-se em um só e mesmo comportamento – por exemplo conhecer novas pessoas pode estar a serviço tanto da necessidade de afiliação como da de reconhecimento. Outras vezes uma necessidade está a serviço de outra – por exemplo quando a necessidade de ordem está a serviço da necessidade de desempenho. Duas ou mais necessidades podem também estar em conflito umas com as outras – por exemplo a necessidade de intimidade pode estar em conflito com a necessidade de autonomia.

Esses três tipo de relações possíveis entre necessidades são também possíveis entre necessidades e pressões externas. Para medir o “perfil de necessidades” de uma pessoa, Murray desenvolveu com outros colegas o teste de apercepção temática, um teste projetivo composto de uma série de figuras. A pessoa sendo testada tinha atarefa de contar uma história, explicando a cena dos quadros.